Porsche 550 SPYDER - Uma outra história de sucesso

Crónica de Stuttgart

Na condição de ex-presidente do Porsche Clube 356 Portugal e respondendo a um simpático convite da Coordenação de Clubes Porsche desloquei-me a Stuttgart para uma visita de carácter privado a esse "solo sagrado" onde desde há mais de 60 anos se produzem alguns dos melhores exemplares da história universal da indústria automóvel. Entre eles o Porsche 356, como não podia deixar de ser. Uma vez que a família não estava disponível para esta viagem levei comigo um pequeno grupo de amigos: José Dias Silva, Mário João Melo e Pedro Varandas, todos felizes proprietários de Porsche 356 (e outros).
Benjamim Marjanac, em representação da Coordenação de Clubes Porsche, levou-nos a conhecer o interior das oficinas onde se assistem os carros que integram ou virão a integrar a colecção do Museu Porsche. Estre estes pudemos ver um Porsche 901 (#057) recentemente adquirido pelo Museu em estado verdadeiramente  deplorável e um  Porsche 356 Cabrio de volante à direita, cujas imagens se juntam. Seguiu-se a visita ao Museu, ainda com Benjamim Marjanac como guia, função que desempenhou no início da sua carreira. Aqui foi possível ver, entre outras "novidades", o Porsche 918 Spyder que serviu de veículo de testes e desenvolvimento deste modelo, um verdadeiro prodígio de electrónica e sofisticação tecnológica.
Após o almoço oferecido pela Porsche partimos em visita privada à fábrica de Zuffenhausen guiados por um jovem funcionário da casa (Frederick) que está em vias de concluir a sua formação em engenharia electrotécnica para mais tarde integrar os quadros da Porsche. Foram duas horas de puro deleite a observar a montagem de várias versões dos modelos mais recentes da linha 911 num ambiente onde se respira profissionalismo e organização ao mais alto nível. Por exemplo, sabiam que cada funcionário tem exactamente 3 minutos e 44 segundos para montar o tablier de um destes carros? Nem mais nem menos. O tempo começa a contar num quadro electrónico quando o material chega ao posto do empregado que, na maior tranquilidade, procede à instalação dos componentes. Enquanto lá estivemos os 3´44´´ chegaram e sobraram para cumprir essa missão. Outro facto curioso é a pausa de 5 minutos que sempre acontece ao minuto 55 de cada hora. Os funcionários aproveitam como entenderem este pequeno período: vão ao WC, fumam um cigarro (no exterior) ou tomam um café. Depois voltam ao trabalho e quase em silêncio absoluto continuam as suas tarefas. Um "espectáculo" digno de ser visto e uma verdadeira lição de rigor e eficiência. Infelizmente não pudemos fazer fotografias no interior da fábrica nem elas fariam muito sentido num blogue sobre os Porsche 356, mas lá que apetecia... 
No final ainda houve tempo para mais uma boa notícia: a partir de agora poderei visitar os arquivos documentais do Museu Porsche quando assim o entender, privilégio que muito me honra. Os documentos aí guardados não foram (algum dia serão?) digitalizados pelo que a consulta terá de ser  feita "à moda antiga", o que torna qualquer pesquisa ainda mais aliciante. Veremos o que o futuro nos reserva nesta matéria.
Agradeço à Porsche e à Coordenação de Clubes esta experiência única que guardarei na minha memória para o resto dos meus dias. E obrigado também aos meus companheiros de viagem pela sua tão agradável (e divertida) companhia.
José Guedes






Os Bons Velhos Tempos

O artista plástico Marcos Oliveira produziu este interessante trabalho que envolve o "carrito do costume" e um dos três aviões SE-210 "Caravelle" que a TAP adquiriu em 1962, dando assim início ao processo de renovação da sua frota. 
O CS-TCA "Goa" foi o primeiro avião a jacto a ser utilizado pela companhia aérea nacional, destinando-se essencialmente a operações de médio curso. Os três aviões então adquiridos (Goa, Damão e Diu) continuaram ao serviço da TAP até 1975, altura em que foram vendidos a uma companhia do Equador. A frota de médio curso da TAP era então formada por aviões Boeing 727-100, aos quais mais tarde se juntariam quatro Boeing 727-200.
O IG-67-97 é um Porsche 356 B 90 Coupé importado da Alemanha em 2005. Produzido em 1963, foi originalmente vendido para os Estados Unidos, onde passou a maior parte da sua "vida" útil, tendo regressado ao país de origem já no século XXI para ser restaurado, após o que veio para Portugal. Não se prevê que venha a mudar de família nos próximos 50 anos.
O autor do blogue entrou para a TAP em 1971 tendo sido piloto de aviões Boeing 727-100/200 , Boeing 707, Lockheed L-1011 Tristar, Boeing 737-200/300, Airbus A319/320 e Airbus A340. Quando se retirou por limite de idade em 2006 era Comandante e Line Check Captain (LCC) da frota Airbus A340 da TAP.


Os Primeiros 356

Aqui se junta a lista dos primeiros Porsche 356 a serem produzidos e os nomes dos seus proprietários. Os chassis, motores, etc, eram fabricados em Gmund mas devido a insuficiente capacidade logística uma parte considerável era depois enviada para para diferentes companhias que produziam e instalavam  as carroçarias. A maioria dos Coupés foi produzida integralmente em Gmund, mas os "Cabrios" foram terminados por Beuttler, na Suiça, e por Tatra, em Vienna.
Dada a falta de registos da época suficientemente credíveis estas informações são ainda hoje contestadas por alguns sectores.
Bibliografia - "Porsche 356, Driving in its Purist Form", de Dirk-Michael Conradt



Rali Vinho do Porto 2014

As majestosas paisagens do vale do Douro serviram de cenário ao renascimento de uma prova com um nome mítico, o Rali Vinho do Porto, que agora surge em formato "regularidade FIVA". Estradas lindíssimas percorridas num sábado cheio de sol, ao contrário do que aconteceu na sexta feira, dia em que a chuva se fez sentir durante quase toda a tarde.
Três Porsche 356 estiveram presentes à partida na Alfândega do Porto. Dois portugueses, José Dias Silva e o autor do blogue, mais um espanhol, o nosso já bem conhecido José Pardo vindo directamente das Astúrias no seu SC Cabrio. Claro que todos chegaram ao fim sem problemas, com ambas as equipas portuguesas fortemente penalizadas pelo facto de se mostrarem mais  preocupadas em saborear a paisagem do que em cumprir o Road Book, de resto muito bem feito.
As fotografias falam por si.






II Gran Premio Sport Villa de Madrid

Jorge Passanha e o seu Porsche 356 até estavam bem classificados durante o circuito de Madrid de 1961 mas de repente as coisas viraram. Literalmente.
Proveniente de uma família da aristocracia portuguesa, Jorge Passanha foi figura de relevo no meio automobilístico nacional das décadas de 50 e 60, tendo dado um largo contributo para a divulgação da marca Porsche em Portugal, nomeadamente através dos Porsche 356 que possuiu e pilotou.
António Barros, em Mercedes, seria o melhor dos portugueses no II Prémio Sport de Madrid.


Mais Um Desafio Vencido

É sempre com alegria que aqui damos conta da recuperação de mais um Porsche 356 "português", ou seja, um daqueles que passou toda a sua "vida" em Portugal e que após um período mais ou menos longo de abandono volta agora a surgir em todo o seu esplendor. O carro em questão foi encontrado no estado lastimável que as imagens documentam mas acaba de aparecer em grande forma no circuito de Cascais pelas mãos do seu actual proprietário, José Guimarães. Falta apenas acertar alguns detalhes de ordem burocrática para que o AI - 78 - 34 fique pronto para enfrentar (pelo menos) mais meio século de viagens.




Está Quase

Aproxima-se do final a operação de pintura que pretende devolver o BG-19-18 à sua cor original, aquela que ostentava durante o Rallye de Monte Carlo de 1953, altura em que era tripulado por  João Capucho e Calçada Bastos. Este Porsche 356 Pre-A, um dos poucos existentes em Portugal, já "anda por aí" há algum tempo, perfeitamente  recuperado, mas só agora vai voltar à imagem que tinha nessa época distante.
O actual proprietário, Helder Valente, conta os dias que faltam para poder apresentar o carro aos entusiastas portugueses na versão "Monte Carlo 53".


Portugal em Mil Milhas 2014

Mais uma excelente organização de Pedro Villas Boas e Miguel Corte Real na qual, por muito boas razões de ordem familiar, o autor do blogue não pode desta vez participar. À equipa Paulo Tomé / Fernando Sequeira coube a difícil tarefa de enfrentar a "armada inglesa" onde os Jaguar estavam em clara maioria. Consta que no Autódromo de Portimão o Porsche 356 prateado deu poucas hipóteses à concorrência. Paulo Jervel e Josef Pulzl completaram o "Team Porsche 356", cujo brilhante desempenho aqui se saúda.


Cascais Classic Motorshow 2014

Apenas dois Porsche 356 participaram na prova de regularidade disputada no Circuito de Cascais no passado fim de semana, integrada na edição deste ano do Cascais Classic Motorshow. São eles os Porsche 356 C das equipas José Guimarães / Filipe Villard Cortez e Mário Vital de Melo / Carlos Dionísio, respectivamente oitavo e quarto classificado na Categoria B.


Tomar, 1964

Rallye a Tomar 1964. Ernesto Neves acaba de tirar a "carta" e já pode andar livremente na estrada. A participação em provas desportivas era o objectivo seguinte e o Rallye a Tomar foi uma das provas escolhidas para testar capacidades do carro e do piloto. Acompanhado de Óscar Monte Pegado "Nené" conduziu com sucesso o já cansado Porsche 356 Super até às complementares disputadas no centro da cidade, mas aí as coisas já não correram tão bem. O excesso de entusiasmo fez com que uma das rodas batesse fortemente no passeio e pronto, lá se acabou o rali. 
Américo Nunes, ao volante de um inatingível Porsche 356 SC, seria o vencedor. Mas as coisas iriam mudar muito em breve.


O Regresso do "ET"

Ei-lo de volta ao seu lugar na exposição permanente do Museu do Caramulo depois de ter passado por alguns trabalhos de regeneração e melhoramento. Este Porsche 356 B 90 Coupé chassis 122496, matrícula ET-38-20, foi produzido em 1962, tendo sido equipado com o motor 806268.
No Museu do Caramulo está agora patente a exposição temporária "Lendas da Competição" que irá prolongar-se até 18 de Outubro e que será mais um motivo de interese a juntar a tantos outros durante o próximo Motorfestival que terá lugar de 5 a 7 de Setembro.
A fotografia é do Gonçalo Macedo e Cunha.


Rallye das Rias Bajas 1964 / 2014

Comemora-se este ano o 50º aniversário da vitória de Jorge Soromenho no Rallye das Rias Bajas de 1964 ao volante de um Porsche 356 SC. A data será assinalada com um encontro de carros deste modelo que terá lugar durante o fim de semana de 10 a 12 de Outubro próximos na região de La Toja, Galiza, no qual irão participar o vencedor de 1964 (e provavelmente também o de 1963, António Peixinho) e Noé Diniz, o actual proprietário do Porsche 356 vitorioso, além de outros convidados.
Mais informações em breve.


Kardex

Jim Stephenson é um simpático americano que desde há alguns anos vem restaurando um Porsche 356 "português" e que já por mais que uma vez surgiu neste blogue à procura de ajuda para o seu projecto. Desta vez envia-nos o Kardex do seu Sunroof Coupé com os elementos de identificação e a respectiva data da importação através da Soc Com Guérin. O primeiro dono terá sido um tal Carlos Vilhena mas pouco mais se sabe sobre a passagem deste Porsche 356 por Portugal. Qualquer informação adicional que os leitores possam prestar será muito bem vinda.
O carro recebeu a matrícula CI-82-04 quando foi registado em 1959. Vinha equipado com pneus Dunlop, "tecto de abrir" e um rádio Blaupunkt "Stuttgart" com dois altifalantes e antena.






Vida Nova

Sessenta e um anos depois de ter disputado o Rallye de Monte Carlo e a Volta a Portugal de 1953, aqui está o BG-19-18 documentado no "post" anterior a ser preparado para uma nova fase da sua já longa e bem sucedida existência. Recentemente adquirido por Helder Valente a um ex-jogador do F. C. de Porto o carro estava pintado de (pasme-se) … vermelho. Vai agora passar por uma pequena operação cosmética que o vai devolver à cor original, aquela que ostentava na já distante época de 1953. Não é seguro que o projector que se vê  junto da janela do condutor na versão "Volta a Portugal" venha a ser mantido, uma vez que não existia na versão "Monte Carlo", aquela que será usada como referência.