PORSCHE 550 SPYDER-
Uma outra história de sucesso.

Em Busca

Por onde andará agora o  BL-65-05? Dele pouco ou nada se sabe, excepto que se trata de um 356 B Super 90 T5. Deverá ter sido produzido em finais da década de 50, princípio de 60. Alguém sabe do seu paradeiro?

D´Ieteren Frères

O nome da empresa belga "Anciens Etablissements  D´Ieteren Frères" está associado ao fabrico de carroçarias desde o século XIX. Em 1959, porém, a D´Ieterem passou a colaborar com aquele que viria a ser um dos mais importantes construtores de automóveis do mundo, a Porsche, produzindo para esta marca um considerável número de exemplares do modelo 356 Roadster, o qual não era mais do que uma versão "económica"  do 356 Cabrio ao qual foram retirados os dois pequenos bancos de trás, isto para além de ser dotado de  uma capota sem forro e de um pára brisas mais baixo. Na variante T5 foram produzidas 473 unidades durante o ano de 1961, às quais foram acrescentadas mais 249 com carroçaria T6 em 1962.
É um destes invulgares Porsche 356 que hoje aqui apresentamos. Fabricado em 1961 por D´Ieteren, o 356 B Roadster Super 90 de José Maria Sequeira Pereira será um dos 473 carros produzidos com carroçaria T5


Mas nem sempre este Roadster foi assim tão bonito. E consta que tem um "passado"...
Voltaremos ao assunto.

Monsanto 1954

Circuito de Monsanto 1954. O Porsche 356 de Joaquim Filipe Nogueira bem se esforçou mas o Jaguar XK120 de D. Fernando de Mascarenhas era "de outro campeonato" e ganhou a corrida. Em consequência, o segundo lugar de Filipe Nogueira teve um claro sabor a vitória.


Um Porsche no Mercado

Decorreu durante o fim de semana de 28 a 30 de Março o II Mercado Epicur levado a cabo pela Câmara Municipal de Cascais. Num dos pavilhões ficou patente o Porsche Speedster de Mário João Melo em representação do Porsche Clube 356 Portugal. O objectivo era chamar a atenção para o Meeting do Estoril que irá decorrer entre 29 de Maio e 1 de Junho. Um par de belíssimas Harley Davidson completava o cenário motorizado deste pavilhão.


A Primeira Vitória

Ernesto Martorell, em Porsche 356,  terminou em 5º lugar da classificação geral o Rallye Internacional de Lisboa (Estoril) de 1951 mas venceu a respectiva classe, conquistando assim a primeira vitória da Porsche numa prova de automobilismo em Portugal. No ano seguinte, 1952, viria a conquistar a primeira vitória absoluta da marca no nosso país ao vencer de forma brilhante o Circuito de Vila do Conde.
A imagem documenta Ernesto Martorell e o Porsche 356 durante a complementar final do Rallye Internacional de 1951 disputada em volta do Casino Estoril. Filipe Nogueira, ao volante de um Jowett Jupiter seria o vencedor absoluto.



Uma História de Pneus

Fui recentemente confrontado com a necessidade de substituir os pneus de trás do meu Porsche 356, um par de Vredsteins Sprint HR15 S80 que apresentavam um desgaste excessivo na face interior após cerca de seis anos de uso. Informado pela oficina que esse tipo de pneu já não está disponível no mercado foi-me sugerida a instalação de dois Vredstein T-Trac 165/80 R15, mais modernos e com um piso substancialmente diferente dos pneus da frente. Como iria participar num evento do Clube 356 no dia seguinte, aceitei a sugestão, na expectativa de mais tarde substituir também os pneus da frente. Só que não foi preciso muito para me aperceber que o carro se tornava "inguiável" a velocidades superiores a 90 Km/h. De facto a frente do carro ficava instável e era necessário recorrer a pequenos golpes de volante para manter o carro a andar em frente. Dias depois, ao desabafar com um amigo (Jake van Beest) que é proprietário de uma pequena colecção de Porsche 356, ele me sugeriu uma marca da qual nunca ouvira falar mas que produz pneus para carros Vintage e Clássicos a partir de moldes de época, recorrendo no entanto a tecnologias da actualidade. Assim soube dos pneus Blockley (http://www.blockleytyre.com/), hoje conhecidos como a marca que nos últimos anos mais provas tem vencido em competições de clássicos disputadas em Inglaterra, o que diz bem da sua eficácia.
Decidi "arriscar" e montei um conjunto de Blockleys VR15 no meu Porsche 356 B 90. Notou-se imediatamente a diferença. O carro ficou com outra aderência, muito mais estável em curva e com a direcção muito mais precisa. Fiquei até com a sensação que as rodas da frente induziam um ligeiro "oversteer", o qual nada tem de desagradável e reflecte as características originais do Porsche 356.
Valeu a pena o investimento. Os pneus não são baratos mas estou convencido que a segurança do carro sai largamente beneficiada com esta escolha. O tipo "V" (velocidades até 240 km/h) parece-me algo excessivo, mas pode ser que uma utilização bem abaixo dos limites possa contribuir para a durabilidade do conjunto.
Com agradecimentos a Jake van Beest pelo aconselhamento e orientação.




Publicidade

Mais um exemplo de publicidade institucional em voga na primeira metade da década de 60. A vitória de Fernando Basílio dos Santos no Campeonato Nacional é aproveitada para promover a marca e afirmar a qualidade do produto.
Colaboração de Ângelo Pinto da Fonseca.


Clube 356 no Alentejo, parte II

Mais imagens da visita do Porsche Clube 356 Portugal ao castelo de Montemor e ao L´And Vineyards.



Clube 356 no Alentejo

Mais uma saída do Porsche Clube 356 Portugal, desta vez por terras do Alentejo. Uma bem nutrida (em todos os aspectos) caravana deixou Lisboa a meio da manhã e rumou a Montemor-o-Novo por via de algumas belas estradas municipais que só um "guia" como o Pedro Villas Boas (o organizador do Trans-Portugal, lembram-se?) conhece. O objectivo era visitar o castelo de Montemor e depois descer para o L´And Vineyards, empreendimento eno-turístico de luxo em cujo restaurante "estrelado" pelo Guia Michelin foi servido um delicioso almoço aos mais de trinta participantes.
Momento aproveitado também para a primeira apresentação pública da VW "pão-de-forma" da Garagem João Gomes que vai servir como veículo de assistência técnica durante o International Porsche 356 Meeting do Estoril.





O 356 Carrera 2000 GS/GT de Américo Nunes

Gilberto Correia, chefe de mecânicos da Guérin e figura lendária dos Porsche em Portugal, surge aqui junto do Porsche 356 B Carrera 2000 GS/GT que Américo Nunes utilizou nas épocas de 1965 e 66. Apenas dois exemplares desta versão ('dreikantshaber' ou 'triangular scraper') concebida por "Ferry" Porsche foram produzidos, mas isso não obstou a que o grande piloto português introduzisse algumas alterações na carroçaria, nomeadamente na parte posterior. A Gilberto Correia competia afinar o complexo motor Carrera que equipava este carro, uma notável obra prima de engenharia cuja manutenção só podia ser feita por técnicos altamente experientes e conhecedores.
Um Porsche 356 Carrera 2000 de 1962, em versão diferente do carro de Américo Nunes, está inscrito no Meeting  Estoril 2014 para a equipa Pascal Powels / Daniel Thirion.
Fotografia - arquivo da família de Gilberto Correia


Mais Um Bom Livro

Mais um excelente livro sobre a Porsche e alguns dos modelos que mais contribuíram para a afirmação da marca a nível global. Foi encontrado por um bom amigo numa loja da Quinta do Lago, Algarve, mas pode ser adquirido no site da Amazon.com. 
Editado por Frank M. Orel e Elmar Brummer para a chancela teNeues, "Porsche Icons" apresenta noventa fotografias de grande qualidade, a maior parte delas a cores e algumas inéditas ou pouco divulgadas. Um "must have" para os verdadeiros entusiastas da marca em geral e dos Porsche 356 em particular.




Aires Pestana

O engº Aires Pestana foi um dos grandes entusiastas do desporto automóvel na ilha da Madeira durante a década de 60. Tornou-se notado ao volante de um Volkswagen Karmann-Ghia mas não demoraria muito até adquirir um bem mais competitivo Porsche 356.
As imagens documentam as suas participações nas edições de 1963 e 64 da Volta à Ilha da Madeira e ainda uma fugaz presença no Rali das Canárias de 1963






Carro de Apoio

Data de há muitos anos a ligação entre os Porsches de competição e a fiel Volkswagen a que em Portugal se deu o feliz nome de "pão de forma". Nas décadas de 50 e 60 as "VW bus" eram vistas com frequência nos circuitos e ralis transportando quer os carros de competição quer as peças e os sobressalentes que estes poderiam necessitar, forjando assim uma cumplicidade que haveria de perdurar para sempre. Foi com esse passado em mente que a organização de 39º International Porsche 356 Meeting e o Porsche Clube 356 Portugal decidiram pedir à Garagem João Gomes, responsável pelo apoio técnico ao evento, que preparasse um veículo idêntico para acompanhar os cerca de duzentos Porsche 356 que vão ser vistos no Estoril, Cascais, Lisboa e Sintra durante o último fim de semana de Maio. Eis aqui, em tons de azul e branco, o resultado desse pedido.





Um Herói em Nurburgring

Joaquim Filipe Nogueira foi uma figura ímpar da história do automobilismo português, afirmando-se aquém e além fronteiras como um dos nomes grandes da sua geração. Tendo conquistado tudo o que havia para conquistar em Portugal decidiu partir também à conquista da Europa (e da África do norte...) com resultados mais que meritórios.
Em Agosto de 1955 o grande campeão português enfrentou alguns dos melhores pilotos do mundo no mítico circuito de Nurburgring, um traçado com 22 quilómetros de extensão que incluía montes, vales e "curvas cegas" em número assustador, o qual deveria ser percorrido por vinte e duas vezes. Alinharam à partida (tipo "Le Mans") 60 concorrentes, mas apenas 38 chegariam ao fim, o que diz bem da dureza da corrida. Filipe Nogueira levou o Porsche 550 Spyder nº 3 ao "top ten", tendo terminado a prova num brilhante décimo lugar. Jean Behra, em Maserati 150S, seria o vencedor.
Na foto da partida pode ver-se o Porsche Spyder nº 2 de Richard von Frankenberg a sair na frente, com o carro idêntico de Wolfgang Seidel (nº5) logo atrás. Jean Behra (nº16) teve um arranque modesto, ao contrário de Filipe Nogueira, cujo carro aparece já "embalado" ao meio da imagem assinalado com um"X".
Fotos - Luis Sousa e Interclássico


Gilberto Correia

Gilberto Correia, também conhecido como "o afinador dos Porsches", era chefe de mecânicos na oficina Porsche da Guerin situada na Estrela e acompanhava regularmente pilotos como Basílio dos Santos, a quem prestava assistência técnica. Na imagem de cima surge (de chapéu e mãos nos bolsos) junto do Roadster de Basílio dos Santos, que se prepara para subir a Rampa de Sta Cristina do Couto de 1962. Em baixo aparece (sorridente, de cigarro ao canto da boca) durante um momento de descontracção numa pausa do Rallye de S. Martinho às Termas de Monfortinho. À volta da mesa podem ver-se, entre outros, César Torres (de costas), Basílio, Carlos Duarte Ferreira e Jorge Passanha.
Note-se que o Porsche 356 Roadster se apresenta com jantes "normais" na prova de rampa, quando habitualmente montava jantes Rudge de competição.
Fotos - arquivo da família de Gilberto Correia